Leitores

Pesquisa no Abismo

Minha Arte

Mensageiro Obscuro é um escritor performático que possui um espetáculo solo no qual recita textos utilizando vestuários exóticos, maquiagens e outros recursos criados por ele. Escreve prosas poéticas, poesias, contos, crônicas, pensamentos, frases e experimenta outras formas de escrita.

Seus principais estilos e temas em suas obras são: aventura fantástica, realismo fantástico, autobiografia, onirismo, ultra-romantismo, simbolismo, drama, horror e suspense, ocultismo e misticismo, mitologias, filosofias, surrealismo, belicismo, natureza, comportamento, erotismo e humor.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Espírito Transfigurado

Minha boca está armada com presas, sou minha própria arma e fortaleza, minha língua é a caneta da eternidade e meu sangue é tinta e veneno. Meus inimigos podem até correr, mas vou caçá-los com fúria implacável, nada interromperá minha vontade, meu corpo escuro está fechado. Sou fértil como Osíris, inteligente como Jehuty, imparcial como Anúbis e violento como Sekhmet. Nenhum inimigo me vencerá, sou energia perpétua e vou guerrear no Abismo, sendo incansável e potente. Sou espírito transfigurado e intocável, nada me detém.


- Mensageiro Obscuro.
Dezembro/2008.


-- Glossário --

Anúbis = Neter egípcio do submundo dos mortos, mumificação, auxiliador no julgamento, representante da imparcialidade e racionalidade. É representado como um homem com cabeça de chacal ou cachorro preto. Seu culto era realizado na cidade de Cynopolis e possui templos-cemitério para o treinamento de seus discípulos e cultistas.

Jehuty = Neter egípcio do conhecimento, intelectualidade, magia, mistério, ocultismo e Lua. É representado como um homem com cabeça de íbis ou macaco babuíno. Seu culto era realizado na cidade de Hermópolis, onde discípulos e cultistas treinavam seus conhecimentos em templos-biblioteca. É chamado pelos gregos pelo nome de Thoth.

Osíris = Neter egípcio responsável pelas técnicas necessárias para criar a civilização humana como a agricultura gerando colheitas fartas, assim como também tem o controle sobre águas do rio Nilo, é o deus da morte do Egito antigo. Representado como um homem de pele verde, podendo estar ricamente vestido tanto como humano de pele verde ou múmia faraônica. Ele é o principal entre os 42 juízes que presidem julgamentos aos espíritos na "Sala das Duas Verdades", onde se procedia a pesagem do coração ou "psicostasia". Osíris é mitologicamente apresentado como filho de Geb e Nut, irmão e marido de Ísis, pai de Hórus e irmão de Seth.

Sekhmet = Netert egípcia da guerra e das doenças, responsável por proteger o neter Rá e o faraó, sendo portadora de uma grande fúria ela se descontrolou ao cumprir a missão de punir a humanidade e esta foi quase extinta. É representada por uma mulher coberta por um véu e com cabeça de leoa. Seu culto era realizado na cidade de Mênfis.


Foto: Entardecer no Egito. Encontrado no Google Imagens.

9 comentários:

  1. que obra magnifica que você escrever mensageiro obscuro... gostei muito,.. parece aquelas trovas que se diz antes das poderosas batalhas....
    me senti bem inspirado com isso.

    abraços e escreva sempre
    adriano siqueira

    ResponderExcluir
  2. Irene Borges (Bar do Escritor)31/03/2010 15:00

    A expressão "meu sangue é tinta e veneno" ficou bem bacana.

    ResponderExcluir
  3. Américo Lima (Bar do Escritor)31/03/2010 15:00

    Lirismo arrojado! Bom, cara!

    ResponderExcluir
  4. Nelson Jr. (Bar do Escritor)31/03/2010 15:02

    Se tua boca está armada e sendo você a própria arma isso significaria que tu te morde à toa?
    Não gostei, camarada.

    ResponderExcluir
  5. Junim (Bar do Escritor)31/03/2010 15:03

    Gostei...ÓTIMO!

    ResponderExcluir
  6. Angela Oiticica (Bar do Escritor)31/03/2010 15:03

    Gostei sim. Palavras que viajam no gótico.

    ResponderExcluir
  7. Índia Onhara (Bar do Escritor)31/03/2010 15:03

    Obscuro,
    Gostei disso:

    "Minha boca está armada com presas,
    Sou minha própria arma e fortaleza,
    Minha língua é a caneta da eternidade,
    Meu sangue é tinta e veneno."

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Ivo Venarusso (Bar do Escritor)31/03/2010 15:04

    Salmo 69!

    Seu poema lembra os salmos bíblicos... ou os cênticos dos cânticos...

    O 69 é de minha cabeça torta mesmo...

    ResponderExcluir
  9. David Moura (Bar do Escritor)31/03/2010 15:05

    David,

    Parece um salmo mesmo. Uma espécie de oração para afastar os maus espíritos de alguma antiga seita politeísta.

    Gostei.

    ResponderExcluir

Seus comentários me proporcionam a capacidade de saber que sensações e aprendizados cativei em vocês.
Usem a boa educação e por favor escrevam corretamente.