Leitores

Pesquisa no Abismo

Minha Arte

Mensageiro Obscuro é um escritor performático que possui um espetáculo solo no qual recita textos utilizando vestuários exóticos, maquiagens e outros recursos criados por ele. Escreve prosas poéticas, poesias, contos, crônicas, pensamentos, frases e experimenta outras formas de escrita.

Seus principais estilos e temas em suas obras são: aventura fantástica, realismo fantástico, autobiografia, onirismo, ultra-romantismo, simbolismo, drama, horror e suspense, ocultismo e misticismo, mitologias, filosofias, surrealismo, belicismo, natureza, comportamento, erotismo e humor.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Meu Habitat

Corri firme pelos campos nevados das montanhas, o céu era branco e pouco estrelado, árvores, pedras, rios e lagos... congelados, algo diferente havia em mim. Sentia energia pelo meu corpo, sentia-me mais instintivo, eu mudei e buscava minha egrégora. Notei cavernas escuras e geleiras imponentes, granizos caíam como estrelas pouco vívidas, na serenidade mortífera tudo era inóspito, o frio e ventos incomodavam-me menos. Minha aventura estava mais próxima do fim, abismos e cavernas agora eram meu território.

Vivi a edificante misantropia naquele lugar incrível, lá eu era livre de fardos da humanidade. Em meu lar distante eu podia ser eu mesmo, no alto da montanha observei o abismo e senti um poder interno crescente. Rosnei e urrei, logo senti-me maior e poderoso, pesado e peludo, meus trajes sumiram, transformei-me em um grande urso polar. Descansei em uma caverna escura, dormi entre meus parentes ursídeos. Hibernei até a próxima estação, esperando por dias melhores.

- Mensageiro Obscuro.
Dezembro/2008.

Foto: Urso polar na tundra. Encontrado no Google Imagens.

8 comentários:

  1. Fillipe (Bar do Escritor)28/03/2010 12:49

    Ótima escolha de palavras. Bom estilo, sem ficar piegas quando se trata de "bichinhos" quase extintos.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Rosa Cardoso (Bar do Escritor)28/03/2010 12:50

    Nem preciso perguntar se acredita em viagens astrais. Gostei de alguns versos de outros não.

    Ah egrégoras também servem pra definir essa conjunção de energias que se forma sobre o Bar do Escritor... em certas definições isso aqui também é uma egrégora.

    ResponderExcluir
  3. Tasso (Bar do Escritor)28/03/2010 13:35

    Adoro proparoxitonas com "R" no meio.

    "Rosnei e urrei, logo senti-me maior e poderoso"
    Forte.

    Também gosto de me sentir assim! Vai ver por isso as proparoxitonas me atraem: por sua força bruta!

    ResponderExcluir
  4. Gosto da forma clara e cadenciada como escreve, mesmo narrando um sonho ou um arroubo onírico. Gostei sem tirar nem por!

    ResponderExcluir
  5. Calaça (Bar do Escritor)30/03/2010 13:31

    Mensageiro, sempre fiel ao seu estilo. Admiro isso em você, cara!
    Gostei do texto, abração!

    ResponderExcluir
  6. Gutemberg (Bar do Escritor)30/03/2010 13:32

    Uma metamorfose e tanto. Gostado.

    ResponderExcluir
  7. Ana (Bar do Escritor)30/03/2010 13:32

    "Vivi a edificante misantropia naquele lugar incrível,
    Lá eu era livre de fardos da humanidade,
    Em meu lar distante eu podia ser eu mesmo.
    No alto da montanha observei o abismo,
    E senti um poder interno crescente.

    Rosnei e urrei, logo senti-me maior e poderoso,
    Pesado e peludo, meus trajes sumiram,
    Transformei-me em um grande urso polar.
    Descansei em uma caverna escura,
    Dormi entre meus parentes ursídeos.

    Hibernei até a próxima estação, esperando por dias melhores."

    Lindo, intenso, repleto de sentimentos e emoções.

    ResponderExcluir
  8. Você é uma metamorfose ambulate! hehehehe
    e quem não gosta de ser? :D

    Esse poema ficou com uma intensidade magnífica e muito bem escrito como sempre!

    ResponderExcluir

Seus comentários me proporcionam a capacidade de saber que sensações e aprendizados cativei em vocês.
Usem a boa educação e por favor escrevam corretamente.