Leitores

Pesquisa no Abismo

Minha Arte

Mensageiro Obscuro é um escritor performático que possui um espetáculo solo no qual recita textos utilizando vestuários exóticos, maquiagens e outros recursos criados por ele. Escreve prosas poéticas, poesias, contos, crônicas, pensamentos, frases e experimenta outras formas de escrita.

Seus principais estilos e temas em suas obras são: aventura fantástica, realismo fantástico, autobiografia, onirismo, ultra-romantismo, simbolismo, drama, horror e suspense, ocultismo e misticismo, mitologias, filosofias, surrealismo, belicismo, natureza, comportamento, erotismo e humor.

domingo, 18 de abril de 2010

Uma Carta Que Não Entreguei

          Tive uma longa conversa com um amigo na semana passada, viramos a madrugada conversando e concluímos que realmente a vida faz piadas ou tem vezes que viramos meras piadas na vida, ah... essa é uma dura realidade das piadas que fazemos e das piadas que podemos ser. Essa era mais uma daquelas tantas realidades que devo enfrentar de cabeça feita, sim, de cabeça feita. Pensei em você novamente, minha querida e ser só seu amigo é realmente perturbador, ainda é mais chato quando me dizem que sou egoísta em "amá-la desejando ser amado", como se eu devesse viver um eterno amor não-correspondido enquanto quem comentou sobre isso já tem uma relação correspondida e sólida, assim é moleza dar palpite. Já se foi o tempo em que por duas vezes eu declarei o que penso e sinto por você e ao ser rejeitado sumi de sua vida por meses, evitava te encontrar, não queria conversas longas por telefone, internet, pombo-correio, telepatia e sei lá o que mais. Talvez o meu erro tenha sido em liberar tanta intimidade para que você descobrisse os carinhos mais doces que só você sabe fazer em meu corpo, exatamente do jeito que gosto, desde as leves provocações até leves marcas em minha pele que despertam minha libido.
         As coisas que vivemos juntos foram maravilhosas, mas  sinceramente... cansei! Já te disse várias coisas, já ouvi muito mais, não vou negar que tivemos grandes momentos. Sim, tivemos várias situações marcantes: desde belos passeios com pouco dinheiro nos bolsos; as gargalhadas de minhas piadas de humor negro para você; nossas situações tragicômicas regadas a calorosos abraços e voz baixa no ouvido; a cômica situação na qual pensavam que somos namorados, que eu estupidamente queria que isso virasse realidade; e o namorico despretensioso no portão de sua casa em pleno começo de madrugada, onde nossas vozes eram tão baixas e embaladas pelos nossos batimentos cardíacos tão grudados no abraço. Não tenho como esquecer o passado, boa parte das melhores coisas do ano de 2005 até hoje foram junto com você, eu seria mentiroso se dissesse que não valeu de nada.  Você é uma mulher cativante de quem sou íntimo e isso é cada vez mais escasso, portanto não preciso disfarçar frieza a ponto de dizer que você é só mais uma distração casual na minha vida.

         Sigo parte dos meus instintos e lembro de como sofri por tentar fugir ao que realmente sou e de quem sou. Entenda que sou só um animal selvagem se adaptando a uma sociedade degradante e destroçada por sua própria espécie dominante. Você não entende o que me fez te largar ao vento como se fosse folha seca rodopiando pelo ar aos comandos ambientais, assim, tão livre e solta para que seja feliz, ou para que pelo menos busque o que te cativa. Quer saber a verdade nua? Pois eu te respondo mesmo: a verdade é que cansei de tudo isso... cansei desse jogo infantil e limitado no qual você sempre recua, somos adultos. Não te quero pela metade e minha fome de viver momentos únicos com você é maior que as parcas esmolas que você atirou nessa minha cumbuca pidona, fazendo com que eu me considere um coringa excluído sobre uma mesa de poker. Você pensa e sente coisas que sua opacidade não me permitem desvendar, e sobre tantas questões dúbias e sou um homem de certezas, justamente suas dúvidas é que me atraíram jogando-me nesses brinquedos de parque de diversões de fantasia e dor. Pode ser que eu esteja em um devaneio poético típico de um idiota que ama e só sabe nutrir amores impossíveis, daqueles que escrevem suas fantasias copiosamente, regados a música com dor-de-cotovelos e álcool.

        Desisti de relacionamentos falidos com mulheres que nunca vão me amar, nasci para o prazer e não para a o sofrimento, te  digo: amar você dói, dói pra cacete! Já conheço sua conversa sobre voltar a tentar algo diferente como apenas amigos. Quando você me disse que eu deveria dar valor a esses cinco anos de tanto contato. Tanta amizade, tanto que reprimi em mim para não te tomar aos beijos mais intensos enquanto você provocava e recuava, sei como isso me feriu. Já quis passar uma borracha em tudo, tentar começar do zero. Orgulho-me de não ter me acovardado pela timidez e orgulho típicos do meu comportamento passado. Confirmo que estou cético quanto a tudo isso, cético de verdade por duvidar de um futuro namoro com você e até sobre encontrar uma mulher com quem realmente eu combine nesse louco quebra-cabeças onde minha forma é tão exótica e não existe encaixe exato. Eu deveria ter sumido de vez da sua vida, mas atendi seus chamados insistentes e voltei a te amar de uma forma diferente de antes, mas ainda assim um amor diferente da amizade do início de tudo. Sumir de sua vida teria sido minha opção mais inteligente a seguir. Hoje eu já teria evitado todos os encontros após a segunda vez em que me rejeitou, então só assim eu estaria melhor nesse sentido.

         É melhor perder tudo de uma vez no lugar de apenas me contentar com migalhas de incertezas e tantas dúvidas, mas o passado é apenas um prenúncio de lembranças para rir ou chorar num futuro. Preparei minha cabeça para suportar toda essa carga do luto pelo Dia do Fim que durará no máximo 24 horas, onde chorarei tudo que preciso bem distante dos demais. Farei isso bebendo e comendo alguma coisa, meio que sem vontade, com uma caneta na mão e guardanapos gentilmente cedidos pelo garçom cansado e entediado que me atenderá. Escreverei uns versos e estrofes ou linhas e parágrafos nessa minha decadência momentânea e assim, contemplarei o sol se pondo belamente em tons pastéis, com a brisa marinha surrando meu rosto já molhado pelas últimas lágrimas. Realmente você não tem noção do que se passa em mim, nem saberá, pois no dia seguinte serei um homem readaptado. Claro! Não vou choramingar por causa de mulher por mais que apenas um dia. Existem dezenas de outras opções pela frente e ainda tenho mais cinco nomes de mulheres para sair, escritos naquela agenda preta pequena, aquela mesma que nunca te deixei ler. Entre várias anotações existem opções de sobressalência para passeios que misturam conversas razoáveis, risos, carinhos, algumas possibilidades de beijos e talvez umas brincadeiras sacanas para não chegar em casa completamente casto. Por isso declaro o fim desse circo onde o palhaço era eu e você era a platéia, não quero mulher-problema, quero mulher-solução e assim sigo meu caminho.

- Mensageiro Obscuro.
Abril/2010.

Foto: "Don Quixote" por Gustave Doré.

11 comentários:

  1. La Loca Andreza (Novos Escritores do Brasil)19/04/2010 16:39

    Mensageiro, é outra historia baseada em fatos reais?
    Porquê o texto é tão... tão... tão íntimo, profundo e sensivel!
    O desabafo de amor; algo tão "simples" e profundamente explorado por vc.
    Parabéns, muito belo. ;(

    ResponderExcluir
  2. Mensageiro Obscuro (Novos Escritores do Brasil)19/04/2010 16:41

    A carta é real sim... você nem faz idéia do quanto é real... hehe.

    ResponderExcluir
  3. Neli Espanhol (Novos Escritores do Brasil)19/04/2010 16:42

    Eu só me permito a ter luto por 24 h, depois de afundar na minha dor eu volto renovado e retomo a vida como ela deve ser. Obrigado pela análise.

    ResponderExcluir
  4. Neli Espanhol (Novos Escritores do Brasil)19/04/2010 16:42

    Achei a carta tão confusa quanto o coração do remetente, porque é assim mesmo que ficam os sentimentos quando um relacionamento termina, a gente quer e não quer, a alma fica sangrando até o desfecho final. Você descreve bem o estado de espírito de alguém magoado, querendo dar a volta por cima.

    ResponderExcluir
  5. Marjory Tolentino (Bar do Escritor)19/04/2010 16:44

    Como sempre seus escritos são profundos que nos transmite muita intimidade. De alguma forma me faz querer sentir o que leio. Muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  6. Véio China (Bar do Escritor)19/04/2010 16:49

    É uma carta de amor. Uma carta de amor é sempre dolorida. Mas....viver sem dor não dá!
    O legal nisso tudo é que geralmente somos a nossa própria cura.

    Bom..muito, mas muito bem escrita, mesmo. O problema é saber ou poder avaliar o conteúdo. É muito pessoal.

    Agora... quanto a escrita... ótimo.

    "A cômica situação na qual pensavam que (somos) namorados.(...)"

    Ursão, acho que é aqui. Você está se referindo ao passado, algo lá atrás.

    Nénao?

    ResponderExcluir
  7. Tasso (Bar do Escritor)19/04/2010 16:50

    Lembrou-me um rapaz magricela de quem me perdi há muito!

    ResponderExcluir
  8. Ana Cris (Bar do Escritor)19/04/2010 16:54

    Grande Urso, herói da resistência! 5 anos caríssimo?!

    mas:
    "Declaro o fim desse circo onde o palhaço era eu e vc a platéia."
    "nasci para o prazer não para o sofrimento, te digo: amar você dói, dói pra cacete"
    "claro que não vou choramingar por uma mulher mais que um dia"
    "Tenho cinco nomes para sair naquela agenda preta, aquela que nunca te deixei vêr (adorei isso!) e talvez algumas brincadeiras sacanas para não me deixar chegar em casa completamente casto"(completamente casto é ótimo)

    "Sigo parte dos meus instintos e lembro em como sofri por tentar fugir ao que realmente sou e de quem sou. Entenda que sou só um animal selvagem se adaptando a uma sociedade degradante e destroçada por sua própria espécie dominante. Você não entende o que me fez te largar ao vento como se fosse folha seca rodopiando pelo ar aos comandos ambientais, assim, tão livre e solta para que seja feliz, ou para que pelo menos busque o que te cativa. Quer saber a verdade nua? Pois eu te respondo e respondo mesmo: a verdade é que cansei de tudo isso... cansei desse jogo infantil e limitado no qual você sempre recua, somos adultos. Não te quero pela metade e minha fome de viver momentos únicos com você é maior que as parcas esmolas que você atirou nessa minha cumbuca pidona, fazendo com que eu me considere um coringa excluído sobre uma mesa de poker. Você pensa e sente coisas que sua opacidade não me permitem desvendar e sobre tantas questões dúbias e sou um homem de certezas, justamente suas dúvidas é que me atraíram jogando-me nesses brinquedos de parque de diversões de fantasia e dor. Pode ser que eu esteja em um devaneio poético típico de um idiota que ama e só sabe nutrir amores impossíveis, daqueles que escrevem suas fantasias copiosamente, regados a música com dor-de-cotovelos e álcool."

    Belíssima carta!
    E vale um pouco de Florbela Espanca?
    "Tudoo no mundo é frágil, tudo passa
    quando me dizem isso, toda graça..."

    ResponderExcluir
  9. Ramon (Bar do Escrito)19/04/2010 16:56

    Comovente, amigo gótico.

    ResponderExcluir
  10. Mensageiro Obscuro (no Bar do Escritor)19/04/2010 16:56

    Véio China,

    Sim, eu falava sobre o passado. Vou conferir se errei.
    Correções são sempre bem-vindas.

    Abraço.


    Marjory,

    Obrigado pela leitura.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Porque talvez ,porque tantos alardes ao seu redor sem felicidade sem rumo e eu não sei qual caminho seguir derivando com o vento se gosto me odeiam se amo então ñ sei aresposta pois não fiquei pra saber das ultimas.

    ResponderExcluir

Seus comentários me proporcionam a capacidade de saber que sensações e aprendizados cativei em vocês.
Usem a boa educação e por favor escrevam corretamente.