Leitores

Pesquisa no Abismo

Minha Arte

Mensageiro Obscuro é um escritor performático que possui um espetáculo solo no qual recita textos utilizando vestuários exóticos, maquiagens e outros recursos criados por ele. Escreve prosas poéticas, poesias, contos, crônicas, pensamentos, frases e experimenta outras formas de escrita.

Seus principais estilos e temas em suas obras são: aventura fantástica, realismo fantástico, autobiografia, onirismo, ultra-romantismo, simbolismo, drama, horror e suspense, ocultismo e misticismo, mitologias, filosofias, surrealismo, belicismo, natureza, comportamento, erotismo e humor.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Serenata Mortuária

O silêncio era a existência de leves murmúrios de folhas secas nas noites silenciosas, os sussurros misturavam-se à escuridão, fazendo o vento frio ao ouvido passar de um lado ao outro. A paz era firme naquele bosque gélido, animais fugiram assustados sem nenhum motivo aparente, algo estava perto, o que era eu não sabia. Pensei no ápice de minha solidão naquele local misterioso sobre onde estariam os amáveis brilhos das luzes e por qual razão o céu tão escuro não me revelava a intensa prata lunar. Que segredos guardavam esse lugar pelo qual caminhei? Eu filosofava amando aquela beleza tão sombria, aqueles encantos tão marcantes que me tornavam parte daquele local de uma forma inexplicável. Queria conhecer mais, queria ser parte daquele solo, flora, fauna, vento, água e tantas outras coisas que compunham o cenário de uma beleza noturna.

Pensei e mais perguntas e dúvidas vieram junto com o medo, senti uma baforada quente ao pescoço e vi um vulto correr veloz como um fantasma afoito, seu barulho cessou, voltei ao meu caminho, um tanto assustado, mas ainda curioso em sair daquela mata. Inesperadamente fui arrancado do chão e sucumbindo ao pânico fui arrastado árvore acima... meu pescoço foi rasgado, senti-me escoando em jorros, lentamente uma fera sugava meu sangue. Fui atacado por um vampiro ou demônio? Não importava. Fui mais uma nota nessa serenata mortuária, novamente veio o silêncio da noite.

- Mensageiro Obscuro.
Outubro/2006.

Foto: "Death as a Cutthroat" de Alfred Rethel (1851).

6 comentários:

  1. Gostei do conto, muito bom e envolvente.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu conto, macabro, instigante e inteligente, enfim, bem escrito. É isso aí, viva a internet q nos permite ler os novos escritores.

    Abço.

    PS: não estou comentando pra ser comentado, qria mesmo é ler o seu escrito, mas não encontrei vc no seu dia 11 lá no bar do escritor.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom mesmo!
    Gostei muito!

    Apenas mais um que morre, num mundo indiferente perante nossa vida...

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!
    Prende a atenção do início ao fim!!!

    :**

    ResponderExcluir
  5. Poeticamente sombrio. Adorei.

    ResponderExcluir
  6. Fillipe Jardim (Bar do Escritor)11/10/2010 00:41

    Muitos, muitos, uma porção de adjetivos.

    Isso torna o texto um tanto arcaico. Não sei se foi a intenção, talvez sim. De qualquer modo, achei desnecessária tanta adjetivação.

    ResponderExcluir

Seus comentários me proporcionam a capacidade de saber que sensações e aprendizados cativei em vocês.
Usem a boa educação e por favor escrevam corretamente.