Leitores

Pesquisa no Abismo

Minha Arte

Mensageiro Obscuro é um escritor performático que possui um espetáculo solo no qual recita textos utilizando vestuários exóticos, maquiagens e outros recursos criados por ele. Escreve prosas poéticas, poesias, contos, crônicas, pensamentos, frases e experimenta outras formas de escrita.

Seus principais estilos e temas em suas obras são: aventura fantástica, realismo fantástico, autobiografia, onirismo, ultra-romantismo, simbolismo, drama, horror e suspense, ocultismo e misticismo, mitologias, filosofias, surrealismo, belicismo, natureza, comportamento, erotismo e humor.

domingo, 27 de junho de 2010

Incógnitas da Personagem

Erguemos nosso pequeno império
com valores tão intensos,
fixos como cicatrizes fundas
rabiscadas como lembrete.

Vivi doces enganações sensoriais
em seu paraíso tão secreto,
onde a realidade se revelava
a partir da sombra da dúvida.

Minha caneta trêmula correu,
garrafas geladas reluziam o litoral
acompanhando-me no breve luto,
a fortaleza ruiu aos meus ouvidos.

Descobri incógnitas da personagem,
ela virou uma página passada,
novas lágrimas não cairão,
pela quebra da máscara que amei.

- Mensageiro Obscuro.
Janeiro/2009.

Foto: Imagem sem referências cedida por minha amiga Anaphylaxxya.
Blog da Anaphylaxxya: Em Busca da Risada Perfeita

11 comentários:

  1. A pior descoberta de incógnitas são as nossas próprias que insistem em nos decepcionar na boa parte das vezes, onde arranca lágrima copiosas que vão cair num futuro infinito! beijo, seguindo-te!

    ResponderExcluir
  2. A caneta acompanha trêmula, mas não falha.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Valeu pela presença e pelos comentários.
    Muito bom seu poema, às vezes nos descobrimos amando máscaras, pra falar a verdade... Acho que poucos são os que amariam se não vissem através de máscaras, na verdade o que oculta também protege... e me refiro aos dois lados.

    ResponderExcluir
  4. Valéria (Bar do Escritor)02/07/2010 17:32

    É verdade. é preciso acreditar pra vivenciar... e como doe quando cai tudo isso! Mama mia... :-(

    ResponderExcluir
  5. Dom Ramon (Bar do Escritor)02/07/2010 17:32

    Interessante. Acho que você acertou em cheio aqui. Funciona muito bem.

    ResponderExcluir
  6. Gutemberg (Bar do Escritor)02/07/2010 17:32

    Quanto mais nos envolvemos, maior o risco da decepção. Mas, como não se envolver. Pelo menos fica o poema. Um belo poema.

    ResponderExcluir
  7. Bárbara Leite (Bar do Escritor)02/07/2010 17:34

    "a máscara que amei"

    Puts!
    Todo ele, muito bom!

    ResponderExcluir
  8. Pablo Treuffar (Bar do Escritor)02/07/2010 17:34

    Boa garoto!

    ResponderExcluir
  9. Rita Maria Felix da Silva (Taverna Literária)02/07/2010 17:45

    Mensageiro,

    Excelente texto!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Yuri (Taverna Literária)02/07/2010 17:46

    Gostei bastante.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Seus comentários me proporcionam a capacidade de saber que sensações e aprendizados cativei em vocês.
Usem a boa educação e por favor escrevam corretamente.